• Fri. Dec 9th, 2022

mastipico

Music is life

Cientistas descobrem que pesadelos podem ser silenciados com um único acorde de piano

Bymastipico

Oct 29, 2022


Usando técnicas não invasivas para manipular nossas emoções, pode ser possível reduzir os horrores que atormentam nosso sono. Um estudo realizado em 36 pacientes diagnosticados com transtorno de pesadelo mostrou que uma combinação de duas terapias simples reduziu a frequência de seus sonhos ruins.

No estudo, publicado na Current Biology, os cientistas convidaram os voluntários a reescrever seus pesadelos mais frequentes de forma positiva e, em seguida, tocar sons associados a experiências positivas enquanto dormiam.

publicidade

Leia mais:

“Existe relação entre os tipos de emoções experimentadas nos sonhos e nosso bem-estar emocional”, diz o psiquiatra Lampros Perogamvros, dos Hospitais Universitários de Genebra e da Universidade de Genebra, na Suíça.

“Com base nessa observação, tivemos a ideia de que poderíamos ajudar as pessoas manipulando emoções em seus sonhos. Neste estudo, mostramos que podemos reduzir o número de sonhos emocionalmente muito fortes e muito negativos em pacientes que sofrem de pesadelos.”

Muitas pessoas sofrem de pesadelos, que nem sempre são simples caso de alguns sonhos ruins. Pesadelos também estão associados a sono de má qualidade, que, por sua vez, está associado a infinidade de outros problemas de saúde.

Dormir mal também pode aumentar a ansiedade, que, por sua vez, pode resultar em insônia e pesadelos. Estudos recentes mostraram que pesadelos e distúrbios do sono aumentaram durante a pandemia global de Covid-19 em andamento.

Tratamentos conhecidos

Dado que realmente não entendemos por que, ou mesmo como, nosso cérebro cria sonhos enquanto dormimos, tratar pesadelos crônicos é um desafio.

Um método não invasivo é a terapia de ensaio de imagens, na qual os pacientes reescrevem seus pesadelos mais angustiantes e frequentes para dar-lhes um final feliz. Então, eles “ensaiam” contando a si mesmos aquela história reescrita, tentando sobrescrever o pesadelo.

Esse método pode reduzir a frequência e a gravidade dos pesadelos, mas o tratamento não é eficaz para todos os pacientes.

Em 2010, cientistas descobriram que tocar sons que as pessoas foram treinadas para associar a determinado estímulo, enquanto essas pessoas estão dormindo, ajuda a aumentar a memória desse estímulo. Isso foi chamado de reativação de memória direcionada (TMR), e Perogamvros e colegas queriam descobrir se isso poderia melhorar a eficácia da terapia de ensaio de imagens (IRT).

Depois de os participantes do estudo completarem um diário de sonhos e sono por duas semanas, todos os voluntários receberam uma única sessão de TRI. Nesse ponto, metade do grupo passou por uma sessão de TMR, criando uma ligação entre uma versão positiva de seus pesadelos e um som.

Música pode barrar pesadelos (Imagem: Nick Fedirko/Shutterstock)

A outra metade serviu como grupo de controle, imaginando versão menos horrível de um pesadelo sem ser exposta a sons positivos.

Ambos os grupos receberam uma faixa de fone de ouvido para dormir que tocaria o som – o acorde de piano C69 – enquanto dormiam, a cada dez segundos durante o sono REM, quando os pesadelos eram mais prováveis ​​de ocorrer.

Os grupos foram avaliados após duas semanas de entradas adicionais no diário e novamente após três meses sem nenhum tipo de tratamento.

No início do estudo, o grupo controle teve, em média, 2,58 pesadelos por semana, e o grupo TMR teve uma média de 2,94 pesadelos semanais. No final do estudo, o grupo de controle caiu para 1,02 pesadelos semanais, enquanto o grupo TMR caiu para apenas 0,19. Ainda mais promissor, o grupo TMR relatou um aumento nos sonhos felizes.

No acompanhamento de três meses, os pesadelos aumentaram ligeiramente em ambos os grupos, para 1,48 e 0,33 por semana, respectivamente. No entanto, isso ainda é uma redução impressionante na frequência de pesadelos, disseram os pesquisadores, sugerindo que o uso de TMR para apoiar a TRI resulta em um tratamento mais eficaz.

“Ficamos positivamente surpresos com o quão bem os participantes respeitaram e toleraram os procedimentos do estudo, por exemplo, realizando terapia de ensaio de imagens todos os dias e usando a faixa de dormir durante a noite”, diz Perogamvros.

“Observamos rápida diminuição dos pesadelos, juntamente com os sonhos se tornando emocionalmente mais positivos. Para nós, pesquisadores e clínicos, essas descobertas são muito promissoras tanto para o estudo do processamento emocional durante o sono quanto para o desenvolvimento de novas terapias.”

Via Science Alert

Imagem destacada: Stokkete/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!





Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.